São Paulo, 19 de agosto de 2019
Home / Gestão e Assitência / Protocolos

Protocolos


Administração de Soro em Bomba de Infusão
Colaboração: Sérgio Luz
Número do Protocolo: 055
26/02/2010
A A A

 

Finalidades:

 

- Nutrir e hidratar o cliente;

- Restabelecer o volume líquido do organismo;

- Elevar ou repor as reservas de eletrólitos,  vitaminas, aminoácidos e calorias ao cliente que não pode manter a ingesta hídrica;

- Administrar medicamentos.

 

Material Necessário:

 

- 01 suporte de soro; 01 bandeja; solução a ser administrada; 01 equipo de soro p/ BI; 01 par de luvas de procedimento; 01 álcool Swab; 01 rótulo; bomba de infusão; 01 conector se necessário.

 

 

Pré - Execução:

 

- Observar prescrição médica;

- Preparar material necessário;

- Identificar e fixar o rótulo de soro com nome do cliente, número do leito, solução prescrita, número de gotas por minuto, horário de início e término e assinatura;

- Lavar as mãos;

-Adaptar o equipo ao frasco de soro;

-Retirar o ar e fechar o circuito do equipo, respeitando a técnica asséptica;

- Colocar o material na bandeja;

- Levar o material e o soro para o leito.

 

 

Execução:

 

- Identificar-se;

- Checar o leito e o nome do cliente;

- Orientar o cliente quanto ao procedimento;

- Colocar o soro e bomba de infusão no suporte;

- Dispor equipo na bomba de infusão;

- Calçar luva de procedimento;

- Programar a bomba e infusão conforme prescrição;

- Certificar-se de que não há infiltração de soro;

- Realizar a antissepsia da conexão;

- Conectar o equipo do cateter venoso ou conexão;

- Programar a BI conforme prescrição médica;

- Abrir controlador de gotas do equipo;

- Deixar o cliente confortável e com a campainha a seu alcance;

- Manter o ambiente em ordem.

 

Pós - Execução:

 

- Desprezar o material utilizado no expurgo;

- Lavar as mãos;

- Checar o horário da instalação do soro na prescrição;

- Realizar as anotações necessárias;

- Supervisionar e avaliar, continuamente, o procedimento realizado.

 

Avaliação: 

 

- Checar a permeabilidade do cateter durante a infusão;

- Controlar o volume horário;

- Mensurar os dados vitais;

- Observar infiltração tecidual.

 

 

Riscos / Tomada de Decisão:

 

- Infiltração tecidual: troca do acesso venoso;

- Reposição inadequada de volume: comunicar ao médico;

- Alteração nos parâmetros vitais do cliente: mensurar dados vitais, comunicar ao médico alteração;

- Flebite química: trocar acesso venoso, compressa quente no local.






Voltar   |   Imprimir   |   Indicar por e-mail