Portal da Enfermagem
Apoio Cultural:
Plantão de Notícias

Fique bem informado com tudo que acontece na área da enfermagem e da saúde! Clique na notícia desejada para visualizar o texto na íntegra.






Entrevista: Passagem de Plantão

8/6/2012
Divulguem   |
A A A
a
Nanci Martins Ferreira Radovich
Coordenadora de Enfermagem Day Clinic-Cabeça e Pescoço do Hospital Albert Einstein, de São Paulo
nanci@einstein.br

Utilizada pela enfermagem como mecanismo de assegurar a continuidade da assistência prestada, a Passagem de Plantão é uma atividade fundamental para a organização da rotina do cuidar. Nela estão inseridas as informações referentes ao estado do paciente, o tratamento realizado, as possíveis intercorrências e o que mais merecer atenção por parte da equipe de saúde.

Para abordar as questões pertinentes a esta rotina das instituições hospitalares, a enfermeira Nanci Martins Ferreira Radovich, coordenadora de Enfermagem Day Clinic /Cabeça e Pescoço do Hospital Albert Einstein, de São Paulo, é a entrevistada do Portal da Enfermagem.

Como podemos conceituar a passagem de plantão? Qual o resultado esperado deste processo?

A passagem de plantão consiste em uma rotina onde a equipe assistencial de um turno transmite ao turno seguinte, de uma forma sistematizada, informações relevantes e pendências relativas ao gerenciamento dos casos sob sua responsabilidade. O resultado esperado é a garantia da continuidade da assistência e, com isso, evitar perda de informações relevantes para os membros da equipe assistencial.
Inclusive, a garantia da continuidade da assistência está prevista no Código de Ética dos profissionais de enfermagem capítulo I,  artigo  16  - “Garantir a continuidade da assistência de enfermagem em condições que ofereçam segurança...”

Quais os principais problemas (riscos) que podem interferir no resultado eficaz da passagem de plantão?  

Falta de concentração, ausência de compreensão do que tem relevância para ser transmitido, interrupções frequentes e falta de objetividade que favorece a perda da atenção dos sujeitos que estão envolvidos na ação, além de falta de pontualidade.

Como podemos minimizar ou coibir esses problemas?

No Hospital Albert Einstein foi realizado um estudo com a metodologia Lean Six Sigma, cujo teste foi conduzido pela Enfermeira  Senior Carla Manuela Pereira de Araújo e chegamos a recomendações preciosas, para garantir uma passagem de plantão breve e recheada de informações relevantes com o mínimo de interrupções.
 

São elas:
- A passagem de plantão deve ter como meta o tempo máximo de 20 minutos (10 minutos antes do início do plantão e 10 minutos após).
- A passagem de plantão, sempre e somente, deve ser iniciada 10 minutos antes do término do plantão (não deve haver recebimento do plantão antes dos 10 minutos que antecedem o início do plantão).

Técnicos e enfermeiros passam plantão separadamente, técnicos para técnicos e enfermeiros para enfermeiros (essa distribuição consome menos tempo e foca a intenção de que o técnico direcionará o atual – a “foto “do paciente (“ pendente uma glicemia capilar pré – prandial”, paciente referiu dor nesse momento e está recebendo o analgésico”) e o Enfermeiro “conta uma parte do filme “(“paciente com esse intercorrência que gerou tal conduta, aguarda...”).

O prontuário do paciente deve ser utilizado na passagem de plantão, sendo instrumentos básicos: prescrição médica, folha de controles e plano assistencial.

A realização da escala para o plantão seguinte é facultativa, porém, em caso de necessidade de discussão da escala, esta somente poderá ser realizada ao término da passagem de plantão.

Três atividades são demandadas antes do início da passagem de plantão:

1) Fechamento do plantão (troca de informações finais entre enfermeiros e técnicos do mesmo plantão);

2) Agrupamento de prontuários;

3) Reunir a equipe (mínimo 1 enfermeiro e 2 técnicos da equipe do próximo plantão).

É requerida a definição de um profissional de enfermagem de referência para o atendimento no posto central e as chamadas ocorridas em paralelo à passagem de plantão, com o intuito de reduzir as interrupções, porém, garantindo o atendimento das necessidades dos pacientes.

O profissional de referência para atendimento do posto central deve triar as solicitações que realmente devem ser transmitidas aos técnicos e enfermeiros, durante a passagem de plantão, das que podem aguardar seu término.

Exemplos:
Podem esperar: acompanhante solicitando resultados de exames, horário de visita médica, pedido de internet, informação sobre doação de sangue, necessidade de atestado médico, informação sobre responsável pelo paciente no turno seguinte, solicitação de acompanhante que deseja ver o prontuário, etc.
Não podem esperar: paciente com dor sem conduta em prontuário, sinais e sintomas alterados agudamente (mal estar, hipertensão, hiperglicemia, hipoglicemia, febre, dispnéia, etc.), necessidades fisiológicas, recebimento de plantão, admissão de pacientes etc.

O posto de enfermagem deve conter identificação visual do momento de passagem de plantão (Placa: Estamos em Passagem de Plantão).

Será criada a figura do "Guardião da Passagem de Plantão", profissional com foco na educação permanente da equipe, no incentivo diário para adesão ao processo proposto e na monitoria do processo (registros de início e término).

Ao passar o plantão, a equipe deve seguir um check-list que contempla os itens críticos e necessários para a passagem de plantão e aplicável conforme o tempo de internação do paciente (curta/média permanência < 30 dias e crônicos > 30 dias).  

A saber:
1) Curta/média permanência: nome, leito, diagnósticos, motivo de internação, exames realizados e pendentes, alterações clínicas, contexto social se aplicável, objetivos diários.
2) Crônicos: nome, leito, alterações clínica, exames realizados e pendentes, contexto social se aplicável, novos objetivos diários se aplicáveis.

Ao término da passagem de plantão duas atividades deverão ser imediatamente realizadas:

1) distribuição dos pacientes por técnico de enfermagem;
2) troca de informações entre enfermeiros e técnicos sobre cada paciente, revisão das prescrições de enfermagem e médica e de seu aprazamento.


Em seu cotidiano como acontece a passagem de plantão?


Desde Março de 2009 essa tarefa está sendo alvo de intervenção na instituição por meio da ferramenta de melhoria de processo (Lean Six Sigma).

Até a concretização dessa mudança estrutural e cultural percorremos algumas etapas:

- definição de um grupo representativo de trabalho (setores diferentes contribuindo com sua vivência),
- busca de literatura específica sobre o assunto,
- verificação dos padrões de segurança envolvidos e requeridos,
- levantamento de status atual (verificação de como ocorria a passagem de plantão em todos os postos de enfermagem)
- auditoria interna para construção de “base line”, “Braisntorming (literalmente “tempestade cerebral”, em inglês – atividade desenvolvida para explorar a potencialidade criativa individual ou coletiva, colocando-a a serviço de objetivos pré – determinados) quanto aos pontos levantados, refinamento de criticidade para direcionamento dos tópicos a serem trabalhados, propostas de intervenção, implementação das mesmas e nova auditoria para comparação quanto o perfil anterior.


Com embasamento adquirido, em Abril de 2010 oficializamos a mudança na logística de passagem de plantão para todo o Hospital, tendo como principal foco de atuação o tempo empregado na tarefa (a oscilação vista antes das medidas eram extremas (30 minutos a 1 hora dispensados) e que não eram definidoras de um processo seguro e útil, padronizando em 20 minutos totais o tempo utilizado (06h50min até no máximo 07h10min, por exemplo) e a qualidade de informação transmitida (descentralização de informações (“paciente afebril, normotenso, normocárdico...” sendo que o foco é relato de anormalidades e suas resoluções e que o prontuário fornece todos os dados), enfoque na opinião clínica do profissional que está saindo do turno ao invés de fatos assistenciais (“eu acho..., eu penso..., eu faria...”).

Passo a passo da passagem (com redução expressiva das etapas, com finalidade de torná-la um meio que levará à assistência e não o fim maior):

1) 30 minutos antes do término do plantão a equipe realiza três atividades: fechamento de plantão (troca de informações e pendências), agrupamento dos prontuários e reunião da equipe (mínimo 1 enfermeiro e 2 técnicos)

2) Transmissão de informações utilizando como instrumento o prontuário (não temos impressos paralelos de anotação, o prontuário e seus registros contêm as explicações, mudanças e direcionamentos necessários). Meta de tempo: 20 minutos (10 minutos antes e depois do período);

3) Ao término da passagem duas atividades deverão ser imediatamente realizadas: distribuição dos pacientes por técnico de enfermagem e troca de informações entre enfermeiros e técnicos (contexto geral do paciente, revisão de prescrições médica de enfermagem – aprazamento, definição de prioridades e etc.).

Qual é o papel do enfermeiro na passagem de plantão? 

Cumprir e fazer cumprir o que foi padronizado no projeto. Tanto no que diz respeito ao conteúdo passado entre enfermeiros como o que ocorre entre os técnicos.

A senhora usa um protocolo? Como é ele?

Todo esse referencial de conduta foi intitulado como “Recomendações para Passagem de Plantão entre Turnos” e está inserido na documentação institucional (Prática Assistencial), mas não está classificado conceitualmente como protocolo ("protocolo" significa também um trâmite a ser seguido para alcançar determinado objetivo ("seguir o protocolo").

Existe relatório próprio de passagem de plantão ou ela é realizada por meio do registro no prontuário do paciente? 

Existe um roteiro para realização da passagem de plantão e temos um formulário de modelo assistencial, onde eles podem efetuar os registros relevantes este documento auxilia muito a equipe que está assumindo o posto, uma vez que eles consumiriam um tempo muito maior garimpando as informações relevantes do prontuário hoje muito mais  complexo e completo do que no passado.

Existe um roteiro preestabelecido para a passagem de plantão?  Qual é o método adotado na passagem de plantão, no posto de enfermagem ou de leito em leito? 

Temos um roteiro onde estão listadas as informações que não podem deixar de ser mencionadas. Abaixo estão os roteiros utilizados por nós. Quanto ao método, a passagem de plantão é realizada no posto de Enfermagem. 

 



Roteiro para passagem de plantão de pacientes de curta/média permanência (tempo de internação inferior a 30 dias na ala atual).

 

1. Nome

2. Leito

3. Diagnósticos

4. Motivo de internação

5. Evolução Clínica e Cirúrgica

6. Objetivos Diários

7. Exames Realizados e Pendentes

8. Contexto Social, se Aplicável

 

Roteiro para passagem de plantão de pacientes de longa permanência (tempo de internação superior a 30 dias na ala atual).

 

1. Nome

2. Leito

3. Alterações Clínicas

4. Novos Objetivos Diários, se aplicáveis

5. Exames Realizados e Pendentes

6. Contexto Social, se Aplicável


A senhora poderia explicar um pouco mais sobre a estratégia adotada para que a passagem de plantão não seja interrompida, com telefonemas, solicitações de pacientes etc.?


É requerida a definição de um profissional de enfermagem de referência para o atendimento no posto central e as chamadas ocorridas em paralelo à passagem de plantão, com o intuito de reduzir as interrupções, porém, garantindo o atendimento das necessidades dos pacientes.

O profissional de referência para atendimento do posto central, técnico de enfermagem designado pelo enfermeiro, deve triar as solicitações que realmente devem ser transmitidas aos técnicos e enfermeiros, durante a passagem de plantão, das que podem aguardar seu término. 

O posto de enfermagem deve conter identificação visual do momento de passagem de plantão (Placa: Estamos em Passagem de Plantão).

Com o advento das metodologias da qualidade, algo mudou no processo de passagem de plantão? 

Sim, no nosso caso, utilizamos uma ferramenta da qualidade Lean Six Sigma para tornar a passagem de plantão mais eficaz. A Divisão da Prática Assistencial fez um levantamento de filosofia de segurança pela Joint e cabe no contexto de qualidade da informação. A Joint não fala especificamente de passagem de plantão, mas de segurança na informação pela equipe.

Estamos em período de auditoria do índice de adesão à rotina de passagem de plantão e da qualidade das informações transmitidas.

No treinamento do funcionário recém-admitido existe algum enfoque para a passagem de plantão? Em caso positivo, no que consiste o conteúdo? 

Consiste em divulgar o que foi estabelecido com método para passagem de plantão na nossa instituição no treinamento admissional (teórico) e também nas unidades para onde os recém admitidos são mandados para o treinamento prático

 




Fonte: Portal da Enfermagem


Comentários   Clique aqui para enviar seu comentário.
O portal da Enfermagem não faz a moderação dos comentários sobre suas matérias, esse Espaço tem a finalidade de permitir a liberdade de expressão dos seus leitores, portanto, os comentários não refletem a opinião dos gestores. Apesar disso, reservamo-nos o direito de excluir palavras de baixo calão, eventualmente postadas.

Nenhum comentário enviado.


Voltar Imprimir Indicar por e-mail Comente está notícia

Cadastre-se

para receber nossos informativos >>>>>