São Paulo, 20 de julho de 2018
Home / Notícias / Poliomielite: ao menos 312 cidades podem voltar a ter paralisia infantil

Notícias

Poliomielite: ao menos 312 cidades podem voltar a ter paralisia infantil

11/7/2018

Zé Gotinha

Livre desde 1990 da poliomielite, o Brasil corre o risco de voltar a sofrer com a doença, também conhecida como paralisia infantil. O alerta vem do próprio Ministério da Saúde, que apontou 312 municípios de diferentes estados em que a cobertura vacinal está abaixo dos 50% entre crianças menores de 1 ano de idade – um número muito, muito baixo.

 

Você pode ver a lista completa dessas cidades aqui. Mas o fato é que até mais locais estariam sob a ameaça de reintrodução da pólio, segundo Carla Domingues, coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde. “O risco existe para todos os municípios com coberturas abaixo de 95%. Devemos ter em mente que a vacinação é a única forma de prevenção da poliomielite e de outras doenças que não circulam mais no país”, conclui, em comunicado à imprensa.

 

Mas por que se proteger de um vírus que aparenta não afetar mais o Brasil? Ora, pessoas vindas de outras nações que ainda enfrentam essa doença podem trazê-la para cá, caso não estejam vacinadas. E, se esse mesmo indivíduo entrar em contato com outros que não tomaram a injeção, a paralisia infantil voltaria a se espalhar.

 

“Todas as crianças menores de cinco anos de idade têm que ser vacinadas, conforme esquema de vacinação de rotina e na campanha nacional anual. É uma questão de responsabilidade social”, alerta Carla.

 

Aliás, entre os dias 6 e 31 de agosto de 2018, acontecerá a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite. Fique de olho – e, a seguir, confira mais informações sobre essa doença, suas formas de transmissão e a vacina.

 

O que é poliomielite (paralisia infantil)

 

É uma doença causada pelo Poliovírus, que acomete mais frequentemente crianças com menos de 4 anos, embora também possa atingir adultos. Na maioria das vezes, os sintomas são considerados leves. Febre, dor de garganta, náusea, vômito, constipação e dor abdominal estão entre eles.

 

Ocorre que 1% dos infectados desenvolve a forma paralítica da doença, que a fez ganhar o apelido de paralisia infantil. Nesses casos, o vírus ataca estruturas do sistema nervoso ao longo do corpo todo, em geral as responsáveis pelos membros inferiores. Com isso, uma das consequências é a perda de movimento de uma das pernas.

 

Entretanto, é possível que esse ataque aos nervos afete músculos que fazem os pulmões trabalharem – aí o paciente desenvolve uma insuficiência respiratória, que exige o uso de máquinas para garantir o entra e sai de ar. Há casos que levam à morte.

 

Como a poliomielite é transmitida

 

Mais frequentemente, uma pessoa se infecta pela chamada via oral-fecal. Trata-se, em resumo, do contato da boca com resquícios de cocô contaminado. 

 

Isso pode acontecer, por exemplo, através de água, objetos e alimentos contaminados. Além disso, o contato direto com as fezes de alguém infectado traz um risco real. Ou seja, a condição sanitária de uma região faz toda a diferença.

 

Mas há também a possibilidade de um sujeito com poliomielite passar a doença por meio de gotículas de saliva. Sim, espirro, tosse e beijos ajudam a transmitir o Poliovírus.



Fonte: Revista Saúde | Portal da Enfermagem

Comentários

O portal da Enfermagem não faz a moderação dos comentários sobre suas matérias, esse Espaço tem a finalidade de permitir a liberdade de expressão dos seus leitores, portanto, os comentários não refletem a opinião dos gestores. Apesar disso, reservamo-nos o direito de excluir palavras de baixo calão, eventualmente postadas.

Nenhum comentário enviado, seja o primeiro. Participe!